Esqueceu a senha? Clique aqui

Cadastre-se

Elipse E3 garante economia de energia à fábrica de arroz da Realengo Alimentos em Santo Antônio da Patrulha-RS

Solução da Elipse Software permite controlar remotamente os equipamentos responsáveis pelo beneficiamento de arroz, consumindo menos energia, proporcionando agilidade, confiabilidade e padronização da produção

Necessidade

 

A Realengo Alimentos nasceu na cidade de Turvo, extremo sul de Santa Catarina, com a missão de levar um produto saudável e qualificado à mesa do consumidor. Em 1982, iniciou suas atividades com o objetivo de produzir arroz de forma sustentável, contribuindo para o desenvolvimento da região e preservando o meio ambiente.

Para agregar mais agilidade e segurança a seus processos, a empresa decidiu utilizar o E3, solução SCADA da Elipse Software, na automação do beneficiamento de arroz realizado em sua filial de São Antônio da Patrulha, interior do Rio Grande do Sul. Importante salientar a participação da Nexxus Evolution Systems, empresa de tecnologia da informação que implementou a aplicação no final de 2015.

Figura 1. Fábrica da Realengo Alimentos em Santo Antônio da Patrulha-RS

Solução

 

A operação no Elipse E3 ocorre de forma fácil e intuitiva, apresentando telas distribuídas por áreas para monitorar todas as etapas do beneficiamento do arroz. O sistema desenvolvido pela NEXXUS possibilita, entre outras coisas, o acionamento dos equipamentos em cascata, ou seja, ao iniciar as etapas do processamento da matéria-prima, cada equipamento entra em operação através de intervalos de tempo pré-determinados, tornando o fluxo de produção contínuo.

Na tela inicial da aplicação, o usuário pode decidir qual etapa do beneficiamento de arroz deseja monitorar. Nesta etapa inicial do processo, o arroz com casca dentro dos padrões de umidade é transportado dos silos-pulmão de armazenamento para a peneira vibratória, cuja finalidade é separar os grãos das impurezas.

Observando a tela inicial, assim como as demais, o operador consegue visualizar se a rota de transporte foi iniciada, onde a cor verde associada aos equipamentos indica que estão ligados. Isso é possível graças as ferramentas que o E3 dispõe e o fator “programação” desenvolvido pela NEXXUS.

Figura 2. Controle da peneira do arroz

Na sequência do processo, o arroz passa pelos descascadores. Os grãos não descascados por completo, após passarem pelo separador de marinheiro, retornam novamente para a etapa de descasque, ciclo este que se repete sucessivamente. No equipamento saca pedras a finalidade é eliminar as pequenas pedras que percorreram o processo até este equipamento. Na sequência, o arroz sem casca passa então pelo brunidor, onde é retirada uma película chamada tegumento que envolve o grão e o germe, processo realizado por meio de uma ação abrasiva.

Do brunidor, o arroz parte para os polidores onde é removido, por completo, o tegumento que envolve o grão e o germe. Ao fim do processo de acabamento do grão, o farelo de arroz é produzido, um dos subprodutos de fundamental importância para o setor de nutrição animal. É no processo de polimento que os grãos sofrem o acabamento final. Após esta etapa, os grãos são transportados até o classificador de perfil para retirada dos grãos vermelhos e da quirera (grãos defeituosos e quebrados).

Figura 3. Controle do saca-pedras, brunidor e polidores do arroz

Ao passar pelo trieur, o grão de arroz é classificado conforme seu tamanho. Na sequência passa na máquina CPRZ que realiza a classificação dos grãos quebrados para então seguir para seleção eletrônica. Nesta etapa, é analisado o estado do produto, onde os grãos quebrados, com manchas, enfim, inapropriados ao consumo são descartados.

Na fase final de beneficiamento, o arroz descascado é pesado pelas balanças de fluxo, balança de arroz quebrado e balança de arroz inteiro, onde é analisado o rendimento da produção. Em virtude do processamento, um percentual de grãos quebrados com ótima qualidade é gerado no processo produtivo. Neste âmbito, a aplicação desenvolvida pela NEXXUS garante que seja realizada a dosagem adequada destes grãos quebrados no momento que antecede o empacotamento.

Figura 4. Controle do ensaque do arroz

Vale salientar que os principais subprodutos provenientes do processamento são a casca, farelo e quirera. Todos são captados durante a produção e destinados a silos de armazenagem adequados para posterior comercialização ou utilização pela própria empresa. A casca de arroz, por exemplo, é reaproveitada para cogeração de energia nesta mesma unidade da Realengo, em Santo Antônio da Patrulha. Como biomassa, a casca tem poder calorífico que, através da queima na caldeira, gera vapor para movimentar a turbina e tornar a indústria autossuficiente.

Figura 5. Controle dos silos de armazenagem de farelo, quirera e outros resíduos oriundos do processo

Além de monitorar as etapas do beneficiamento de arroz, a solução NEXXUS, em conjunto com o Elipse E3, “comanda” máquinas, equipamentos e instrumentos, permitindo, inclusive, acompanhar e operar as rotas de transporte automaticamente. Caso haja qualquer falha em algum instrumento ou equipamento, o software também dispõe de um sistema de alarmes, que informa o operador caso haja alguma anomalia e se é necessária a intervenção da equipe de manutenção para avaliação e correção do problema.

Figura 6. Silos onde são misturados os grãos. Esfera verde, silo cheio. Incolor, silo em carregamento ou vazio

Benefícios

 

Segundo João Luiz Pereira dos Santos, gerente de produção da Realengo Alimentos, o Elipse E3 trouxe mais segurança em relação ao funcionamento dos equipamentos, diminuindo consideravelmente as paradas desnecessárias do processo. Já o coordenador de manutenção, Diego Favaro, destaca o fato da solução da Elipse cuja aplicação foi desenvolvida pela NEXXUS apresentar uma interface intuitiva, proporcionando fácil interação e utilização por parte do operador. Confira abaixo uma lista com estes e outros benefícios oferecidos pelo E3:

  • Informações precisas, servindo de referência para tomada de decisões imediatas.
  • Maior economia de energia e menor desgaste de equipamentos comandados de acordo com a necessidade de utilização.
  • Rastreabilidade de produção e operação.
  • Fácil identificação de desvios na produção, garantindo assim mais segurança e agilidade na resolução de problemas.

Ficha Técnica

Cliente: Realengo Alimentos

Integrador: Nexxus Evolution Systems

Pacote Elipse: Elipse E3 Lite

Plataforma: Windows 10

Número de cópias: 1

Pontos de I/O: 750

Drivers de comunicação: OPC-SimaticNet (Siemens)